Nosso Logotipo

clique aqui para voltar à página principal

QUEM SOMOS EVENTOS
REALIZADOS
FALE CONOSCO
TEXTOS SOBRE O TEMA LINKS PARA INCLUSÃO
OPINIÃO

 

EVENTOS REALIZADOS

 


3º ENCONTRO ESTADUAL SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Realizado no dia 3 de junho de 2006, no auditório do Centro de Eventos da PUCRS, Porto Alegre - RS com a seguinte programação:

Mesa Redonda: Educação e Diversidade

Palestra: Relação Escola e Família

Perguntas - Turno da manhã

Ações pela Inclusão

Palestra: Inclusão na Rede Pública de Educação de Florianópolis

Mesa de Jovens: Relatos de Experiências.

Coordenador: Eduardo Purper - RS

Perguntas - Turno da tarde

Fechamento do Evento com propostas para incremento da Educação Inclusiva em nossa cidade e nosso Estado.

REALIZAÇÃO

Clique para retornar ao nosso site.

ASSOCIAÇÃO PRÓ-INCLUSÃO

AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down de Porto Alegre

AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down Porto Alegre/RS

 

PARCEIROS

LOGOTIPO FADERS LOGOTIPO PMPA
PREFEITURA DE PORTO ALEGRE
LOGOTIPO PUCRS
Secretaria da Educação do
Estado do Rio Grande do Sul
FADERS
Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PPDs e PPAHs no RS
SMED - Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS

 

APOIO

CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil

CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil

Logotipo do CID - Centro Integrado de Desenvolvimento

CID - Centro Integrado de Desenvolvimento

L'Atelier
Complementos Escolares

CIA. ZAFFARI FRUKI A BAYADERA BISCOITOS
ZEZÉ

 


 

2º ENCONTRO ESTADUAL SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Realizado nos dias 3 e 4 de junho de 2005, no auditorio da FAPA em Porto Alegre, RS, teve a seguinte programação:

"Inclusão Escolar? O que é? Por quê? Como fazer?”

Mesa redonda com relato de escolas: "Prática da Inclusão"

Mesa redonda com relato de experiências

Oficinas

1. “O que são as oficinas inclusivas e o que se pretende com a realização das mesmas?”
As Oficinas Inclusivas são uma metodologia que consiste na aplicação de dinâmicas com o objetivo de propiciar vivências,despertar reflexões e disseminar informações sobre inclusão de grupos vulneráveis na sociedade,especialmente de pessoas com deficiência.Essas dinâmicas foram construídas para levar os participantes das oficinas a conhecer e a se interessar por normas e leis,nacionais e internacionais ,que defendem a construção e a disseminação de sociedades inclusivas pelo mundo. As Oficinas Inclusivas são um trabalho de construção coletiva,de co-responsabilidade e co-autoria. Baseiam-se em dinâmicas simples e atrativas que serão mais produtivas em função da participação do grupo e de sua diversidade.

2. “A deficiência visual e a escola inclusiva: contextualização e intervenção”
A oficina se destina à formação de professores preocupados no trabalho de inclusão de pessoas com algum tipo de deficiência visual. Será um momento oportuno para aprendizagem do sistema de escrita Braille e os procedimentos necessários para a atuação no cotidiano com cegos. Visa-se também, uma reflexão sobre a questão da inclusão junto aos pais, professores e alunos, favorecendo a inclusão de todos em um fazer comunitário.

3. “Todos participam na aula de matemática. será que é possível?”
A sala de aula representa um espaço no qual se evidenciam as diferenças entre os alunos, manifestadas nas suas opiniões, interesses e estilos de aprendizagem. Sabemos, também, que nem todos gostam de Matemática, cada um tem suas metáforas preferidas e motivações mais sensíveis, desenvolvendo estilos próprios de elaboração. Sendo assim, cabe ao professor perceber que cada aluno é diferente em suas reações e expectativas, surgindo ritmos muito variados, de aprendizagem e manejo de conhecimento. Para tanto, o professor precisa aprender esta arte finíssima: influir de tal modo que o aluno possa superar a influência.

4. “Pedagogia de projetos como instrumento para a inclusão”
Proposta teórico-prática que, a partir dos conceitos de Pedagogia de Projetos, investe na diversidade e no potencial de cada aluno, visando uma sala de aula desafiadora e interdisciplinar.

5. “Literatura infantil: experiências e descobertas”
Proposta prática de análise de diferentes obras da literatura infantil, visando a reflexão e a construção de valores, investindo nos conceitos de diversidade, diferença e deficiência.

6. “Jogos cooperativos: construindo caminhos possíveis”
Através de jogos, proporcionar vivências cooperativas apontando caminhos que possam fazer a diferença na constituição de um grupo, percebendo as possibilidades de inclusão na construção do indivíduo e do coletivo, buscando o autoconhecimento.

7. “A tecnologia assistiva apoiando a inclusão escolar - um trabalho de equipe”
Nesta oficina procuraremos desenvolver o pensamento criativo e "encontrar saídas" para situações rotineiras do contexto escolar, no sentido de vencer as limitações funcionais dos alunos com deficiência. Vamos também conhecer o conceito da Tecnologia Assistiva, suas modalidades e sua prática.

 

Empresas que nos apoiaram no evento:

AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down de Porto Alegre FAPA CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil CID - Centro Integrado de Desenvolvimento SINPRO - Sindicato Cidadão

Livraria A BAYADEIRA

O banco dos gaúchos
AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down Porto Alegre/RS FAPA - FACULDADES PORTO-ALEGRENSES CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil CID - Centro Integrado de Desenvolvimento SINPRO/RS A BAYADERA BANRISUL

 


 

1º ENCONTRO ESTADUAL SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Dias 4 e 5 de março de 2005 realizamos em Porto Alegre, o 1º ENCONTRO ESTADUAL SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA que contou com a presença de mais de 160 participantes.

O evento foi aberto com a leitura da mensagem enviada pela Profª Claudia Pereira Dutra, Secretária Nacional de Educação Especial, do MEC, aos participantes do encontro:

"O Ministério da Educação, comprometido com a garantia do acesso e permanência de todas as crianças na escola, tem como meta efetivar a Política Nacional de Educação Inclusiva, fundamentada na idéia de construção de uma sociedade que reconhece e valoriza a diversidade.

O desafio dessa política é formular uma escola de qualidade para todos, que passa também pela reestruturação dos sistemas de ensino, tendo como princípios a justiça e a qualidade.

A qualidade da educação e a inclusão escolar dos alunos com necessidades educacionais especiais é um processo que abrange todo o sistema educacional e a sociedade como um todo.

Desejamos que o Encontro Estadual de Educação Inclusiva, que se realiza hoje no Rio Grande do Sul, seja um momento de formação que oriente novas perspectivas,que afirme uma escola aberta para todos, que promova a participação e o desenvolvimento das potencialidades dos alunos.

Um bom encontro a todos os participantes."

Este encontro foi organizado pela PRÓ-INCLUSÃO, AFAD de Porto Alegre e AFAD de Novo Hamburgo e teve a seguinte programação, totalizando 8 horas.

 

Empresas que nos apoiaram no evento:

AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down de Porto Alegre Conheça o Colégio Bom Conselho CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil CID - Centro Integrado de Desenvolvimento SINPRO - Sindicato Cidadão

Livraria A BAYADEIRA

O banco dos gaúchos
AFAD - Associação de Familiares e Amigos do Down Porto Alegre/RS Colégio Nª Sª do Bom Conselho CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil CID - Centro Integrado de Desenvolvimento SINPRO/RS A BAYADERA BANRISUL

 

 


 

1ª JORNADA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: POR UMA ESCOLA PARA TODOS

Em setembro de 2000 organizamos a I JORNADA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: POR UMA ESCOLA PARA TODOS. O evento reuniu 150 professores, diretores, terapeutas, pais e outros profissionais ligados à educação, com o objetivo de abrir um espaço para refletir sobre a educação inclusiva, conhecer as ações em andamento e apontar caminhos para concretizar essa nova maneira de conceber a educação.

A conferência de abertura foi realizada pela Dra. Maria Teresa Mantoan, da UNICAMP, que é referência em todo o país, quando se trata de educação inclusiva. A professora Maria Teresa traçou um paralelo entre a escola que temos hoje e a escola inclusiva. Apontou vários aspectos que precisam ser revistos no sistema educacional atual e mostrou caminhos que podem nos levar a uma escola de qualidade para todos. Sua fala deixou claro que a escola precisa mudar, não apenas para poder acolher os alunos com necessidades específicas, mas porque já não está mais dando conta dos demais alunos que dela fazem parte.

A segunda conferência foi realizada pela professora Mara Lucia Sartoretto, da AFAD de Cachoeira do Sul, que falou sobre sua experiência com a inclusão escolar de alunos com Síndrome de Down. Relatou como as escolas estão redimensionando seu trabalho para poderem atender a todos os alunos. Sua fala deixou claro que com empenho e seriedade, é possível construir uma nova escola, mais justa e de melhor qualidade para todos.

Além das conferências, houve a realização de uma mesa-redonda sobre o papel da família no processo de inclusão escolar. Participaram da mesa a Sra. Célia Becker, Sra. Maria Rosália Gessinger, Sr. Edson Collares, pais de jovens que apresentam necessidades específicas e o jovem Ricardo Alexandre de Souza, representante do CVI de Maringá. Todos os depoimentos evidenciaram a importância da família no processo de inclusão.

Também houve um relato de experiências de escolas que atendem alunos com necessidades específicas em suas classes comuns. Participaram do relato representantes da SMED de Porto Alegre, da Escola de Ensino Fundamental da URCAMP de Bagé, do Colégio Conhecer, do CID e do Colégio Americano. Os relatos evidenciaram que as escolas se encontram em diferentes estágios, algumas mais próximas, outras menos, de um ensino inclusivo.

O encerramento da Jornada foi feito pelas organizadoras, Rita Bersch, professora, fisioterapeuta e diretora do CEDI, e Rosana Maria Gessinger, professora e mestre em Educação, que procuraram fazer um fechamento dos diversos momentos, lançando o desafio para que cada um assuma o seu papel no processo de inclusão escolar.

A avaliação final da Jornada foi bastante positiva. Os participantes solicitaram que seja dada seqüência ao evento e encaminharam várias sugestões de encaminhamento e temas a serem tratados nos próximos encontros.

 

 


 

3º FÓRUM SOCIAL MUNDIAL

Em janeiro de 2003 participamos do 3º FÓRUM SOCIAL MUNDIAL DE PORTO ALEGRE e no II FÓRUM MUNDIAL DA EDUCAÇÃO, através de oficinas sobre a Inclusão com a Profª Drª Maria Tereza Mantoan e a Procuradora Drª Eugênia Fávero, que apresentou os aspecto jurídicos que dão suporte a esta causa. Também participamos através de estandes montados no Cais do Porto, onde identificamos e unimos muitas forças em prol da Educação de Qualidade para todos.

Nosso Convite ao Fórum:

Se você ...

 

 


ESTE SITE TEM O APOIO DO

CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil


Nosso Logotipo

© 2007 PRÓ-INCLUSÃO